PINTEREST

quarta-feira, 31 de outubro de 2012

Luto... morreu a fonte de informação da minha juventude.

Luto é igual a semáforo. Você fica ali pensando na vida e depois segue em frente. Acho que amanhã ou, talvez, ainda por uma semana vou correr os olhos pela Banca a procura do JT. Depois a gente não procura mais. Foi assim com a Gazeta Esportiva, foi assim com o Pasquim... Ai de mim, ai de mim.
Minha vida de leitor começou com o que meu Pai não lia. Ilustrada, Caderno 2 aliás, tudo que não fosse economia ou política. Sobrou virar artista, senão arteiro. Mas o primeiro jornal que eu comprei em Banca, com o meu dinheiro, por gostar da capa, foi o JT. Depois eles melhoraram a diagramação e o jornal ficou exemplar. Saber de mim, de meu paradeiro, era ter um JT amassado, lido, relido e recortado por perto. Mas o mundo moderno atropelou o JT daquela família parada no tempo... Pena. Não tenho nada contra os Mesquita, mas esse negócio de família ter negócio de família... Já era. Cada um é cada um, mas cortar custos no que se tem de mais moderno e dinâmico não pega bem.