PINTEREST

terça-feira, 10 de julho de 2012

Os gritos do silêncio

Gastei um tempo revendo alguns filmes de guerra. Não vou dizer que adoro, mas sempre gostei. Sou filho de gente que passou pela guerra e, portanto, cresci escutando histórias as mais diversas sobre este assunto. Uma amiga da minha mãe até escreveu um diário que acabou sendo publicado por um deseus netos após a sua morte. "Diário de Roswitha" é leitura obrigatória para quem quer beber na fonte. Vou começar falando de "The Killing Fields" que no brasil se chamou "Gritos do silêncio". Quer saber? "Gritos do silêncio" não é um "filmão". Pode ter tido sua importância como "denuncia", como "boca no trombone" ou coisa que o valha, quando a sociedade americana resolveu brincar de jogo da verdade. Afinal, em 1984 denunciar Nixon parecia "bacana". Mostrar as atrocidades do Kmer vermelho e do regime sangrento de Pol Pot no Cambodja parecia necessário. Para tanto, já que o Vietnam já tinha se transformado em quase "arte" nas telas, decidiram por um filme meio com cara de "documentário", com lances dramáticos e alguma tentativa de te fazer chorar. Drama com final feliz. Ups, Hollywood fabricou mais três Oscars...