PINTEREST

domingo, 29 de janeiro de 2012

sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

Estacionamentos

Aqui na Pacata Vila dos Tempos do Império andam derrubando casas no centro e transformando em estacionamentos. Nos últimos anos surgiram ao menos cinco. O camarada derruba tudo, faz uma guarita com "banheirinhozinho" espalha um bocado de pedrisco e "voi-lá": nasceu uma mina de ouro. Já estão cobrando cinco reais a primeira hora. Cara, eu pago isso pra ir no cinema na Paulista. Você não acredita? Pois eu mato a cobra e mostro a cobra morta. Fica lá no Conjunto Nacional, esquina da Paulista com a Augusta. Basta ir no Cinema da Cultura e pronto. Vai pagar cincão a hora. Mais do que justo. Tudo bem,. é uma baita exceçãozona. No resto da capital eles te tiram os zóio da cara. Outro dia fiquei só hora e meia e paguei vinte e quatro reais. Brincadeira? É mais caro do que ter o carro! Por estas e mais um bocado de outras (como trânsito etc e tal) que eu só ando de coletivo. É mais barato e você ainda pode ler... Quer mais? Os caras arranham seu carro, levam boa parte das moedinhas do painel, celular (se vc esquecer), barra de cereal, pneu sobresalente, macaco, extintor, guarda-chuva e triângulo. Isso se o folgado não resolver dar umas voltas, buscar a namorada, se abastecer de maconha ou simplesmente trocar seus quatro pneus por outros bem carecas. Tudo isso que eu escrevi já aconteceu comigo ou com amigo meu, portanto é bom ter cautela. Fazer amigos entre os frentistas, por exemplo, é sempre boa política. Uma ou outra garrafa de algum alcool qualquer sempre vai bem. Se você tiver sítio ou chácara, leve uma frutas ou hortaliças e ovos. Dê gorjeta e descubra o aniversário do cidadão e se ele tem filhos. Bote a patroa para fazer geléia e vá lá levar uns vidros. Pedir para lavar o carro também vale, mas tem que elogiar depois, mesmo que a sua mão fique grudando no volante melecado de silicone de segunda. Mas o mais fácil mesmo é andar de bus e metrô. Basta comprar um cartão (bilhete único) e recarregá-lo vez por outra que ainda leva a vantagem de pagar menos na tal da integração. Tudo bem, tem gente que me acha radical. Sâo aqueles que preferem ter um carro novo na garagem para impressionar amigos e vizinhos e um carro velho parado na esquina para trabalhar e não precisar reclamar do frentista e, de quebra, driblar o rodízio. Outro dia vi na Globo o sujeito que só chega duas horas antes no serviço para poder encontrar uma vaga na rua e estacionar de graça. Realmente uma graça. #ficadica

quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

e o futebol?

Faz tempo que não falo da bola. Mas, também, nada mudou no mundo da bola. Nadica de nada. O Chorinthians continua fazendo gol impedido (validado, diga-se). O são Paulo foi ajudado pelo Juiz, assim como o Palmeiras foi prejudicado. Assim como etc e tal. O RT continua mandando e desmandando e o Ronaldo virou figurante de luxo. E o Adriano? e o Ronaldinho? e, e , e... Pois é. Assim vai o povo em estádios de gramado péssimo, sob chuva, sem estacionamento adequado, com flanelinhas que praticam a mais deslavada extor.... tchã tchã tchã tchããããã.  E as emissoras de TV continuam a privilegiar SP e Rio. De vez em quando lembram que existe Minas e o Sul. De resto... NADA. Aliás, quando vão passar os gols do Nordeste eles aceleram a imagem e o locutor fala mais rapido. Ou mesmo, quando algum time do interior faz mais de dois gols. Falam o resultado e mostram o último gol ou, quando muito, o gol mais bonito. Se fosse time grande e popular, teria até "melhores momentos"... Afinal, tem torcida? Muita torcida? Dá IBOPE? E parece que aqui vai ter uma Copa do Mundo, certo? Qual? Aquela, com só um jogo no Maracanã...

terça-feira, 24 de janeiro de 2012

Lá, lá lá

Tem coisas que me incomodam sobremaneira. Já outras são na base do "nem te ligo". Às vezes é por não ligar mesmo, nem a mínima; outras é por simplesmente nada poder fazer, acrescentar ou impedir. Afinal, quando não depende da gente, o que se há de fazer. Assim, mais ou menos, quando a árvore quebra na tempestade ou o raio cair na varanda ou, ainda, o ministro resolver que o ministério é a casa da mãe Joana. Que remédio? Vai daí que o melhor é virar para o outro lado e dormir. O travesseiro ajuda, desde que não tenha sido mergulhado em produto tóxico para retardar incêndio (por exemplo). Esse mundo é birutinha de tudo. Não somos nada e ao mesmo tempo podemos tudo. Só basta alterar o ponto de vista. (E viva Raulzito). Falando em Raul, ontem pude ver e ouvir Lenine no #rodaviva. Foi bom, como sempre é bom ouvir gente inteligente. De resto, há coisas que desejaria explodir, pessoas que desejaria deportar e produtos que desejaria importar. Cadê meu chocolate MARS? Que sacanagem é essa? P#$#** C#@%&**#...
AH, falando em sacanagem, o que você acha da Lei que ajudou os mercados a se livrarem de um custo às suas custas? Como? Não entendeu? Pois não resolveram deixar de te dar sacos plásticos no ato de sua compra lá no mega-super-hiper-mercado? Então, este saquinho custava "X" e este "X" era distribuído por todos os produtos que você podia adquirir no tal mercado. E hoje você não ganha mais o saquinho e nenhum produto baixou de preço, nem um centavinho sequer. Portanto... basta pensar. Nenhuma outra performance é necessária. Só pensar. Ah, e tem também o fato de que a venda de sacos de lixo de plástico aumentou desde que não dão mais saquinho (dão é modo de dizer). Portanto, os aterros vão continuar cheios de plástico. Só quem ganhou com esta ecobobagem foram os donos de mercados. Nós, a sociedade em geral e o meio ambiente só "sifú", como sempre. E, também, como sempre, os governos foram omissos e posaram de bonzinho. É por isso que eu digo: Saquinho = saco que é igual a sacanagem. Qualquer dia desses falo de reciclagem... Beijo na galera.

sábado, 21 de janeiro de 2012

Um pedido formal

Quero pedir desculpas aos caros leitores. Neste começo de ano nossa freqüência caiu muito e publicamos pouco. Como vocês já sabem, mudei meu escritório de uma pacata Vila dos tempos do Império para o coração financeiro da República, em plena Av. Paulista. Isto demanda esforço e tempo. É claro que neste meio tempo continuamos trabalhando, não só no escritório como também administrando uma ONG de preservação ambiental e produção de mudas de árvores nativas. Não estou reclamando não, apenas me desculpando por não trabalhar 3o horas por dia. Não sou aquele banco que comprou o outro banco que já era uma união de bancos. Deus me livre, ou não. Mesmo apunhalado pelas costas me recuso a parar. Aqui a gente pinta, carrega a escada, mistura a Têmpera e ainda aprova o trabalho; ou como dizem no futebol: cobramos o escanteio e corremos para cabecear pro gol. Não deixamos a peteca cair. E não venham botar a culpa no Instagram. Este hobby, a fotografia, me é caro e delicioso desde pequeno, apenas e tão somente agora possui um veículo mundial de divulgação. Neste caso estou muito satisfeito com o resultado, afinal já são mais de setecentos entusiásticos companheiros de publicação carinhosamente chamados de seguidores. Aliás, o ano não poderia começar melhor. O Universo mais uma vez conspirou e afastou os falsos e os impuros. Limpou a área e os ares. E olha que eu tinha grande consideração pela figura. Mas foi bom assim. Deus é pai e não padrasto. E para provar, vos digo que me roubaram o guarda-chuva durante a missa das dezoito horas na Catedral da Sé e, depois disso, não choveu mais naquele dia. Peguei Metro, ônibus e ainda subi a ladeira de casa sem uma gota sequer. E tinha sido um dia com água desde às seis da manhã. Os amigos, aqueles verdadeiros, estão sempre na área. Assim são as coisas. Assim é a vida.

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Catedral da Sé

O aniversário de São Paulo se aproxima. 458 aninhos. Um passeio legal de se fazer é a visita ao Pateo do Colégio (local da fundação da Cidade) no qual se pode ver uma maquete dos tempos da fundação. Outro passeio é a visita da Catedral, afinal é em frente dela que fica o Marco Zero da cidade de São Paulo. O pequeno monumento de mármore em forma hexagonal, construído em 1934, traz um mapa das estradas que partem de São Paulo com destino a outros estados. Cada um dos seus lados representa simbolicamente outro estado brasileiro: o Paraná (araucária), Mato Grosso (vestimenta dos Bandeirantes), Santos (navio), Rio de Janeiro (Pão de Açúcar e suas bananeiras), Minas Gerais (materiais de mineração profunda) e Goiás (bateia, material de mineração de superfície).
A Catedral teve o início de suas obras no ano de 1913 e a primeira inauguração em 1954 sem as duas torres. Depois de muita obra, reforma e resistência à ditadura, a Catedral foi reaberta em 2002 e está super hiper duper. Vai lá fazer uma visita. Afinal, não é qualquer Catedral que possui em sua Cripta os restos do Padre Bartolomeu de Gusmão. Sim, o cara do Balão ou aerostato, se preferir. 
Um dos cinco maiores templos neogóticos do mundo, a catedral tem missas diárias e visitas monitoradas aos domingos, das 12h às 13h.




domingo, 15 de janeiro de 2012

Televisão é o Ó...

Pois é: não basta que te criem necessidades que você nem sabia existirem, mas ainda vem o veículo e te enche de merda. Tudo camufladinho com cores e musica. Ah, que beleza. Você se enternece, contribui, dá risada, reclama, fica indignado ou aplaude. No fim, você está assistindo gente se socando sem dó e vai dormir com a adrenalina que isso traz consigo em vez de ter lido um livro, feito alongamento ou amor. Você pode, também, ver pessoas confinadas que se exasperam por um bom dinheiro. Isso, se você já não se tornou refém da sua própria casa de tanto ver sangue, assalto e sacanagem. 

Meu Deus, "há tanta vida lá fora..."

sábado, 14 de janeiro de 2012

algumas fotos...

 Janela na Estrada do Vinho
 Canguera
 Capela na Estrada do Vinho

 Itatuba
 Vila Romana
 Paraíso
 Av. Paulista
 Hospital Matarazzo
 Marginal Tietê
 Marginal Tietê
Marginal Tietê

domingo, 8 de janeiro de 2012

parei para ler...

Nunca pensei muito nisso. Mas quando era jovem lia meus livros e era visto como um ET pela maioria dos colegas. Uns não, é verdade, mas a maioria sim... Usava cabelos compridos, um luxo que se podia ter naqueles dias, e um óculos grande, de armação quadrada, que me dava um ar diferente do resto do grupo. Frequantava vários grupos, é certo, apesar de todos serem presenciais. Hoje, apesar de não saber sempre cento e quarenta caracteres sobre tudo, sou mais transgressor do que nunca. Eu leio livros, livros que chegam a ter até seiscentas páginas e assisto filmes, filmes longos. Filmes de quarenta anos atrás, às vezes, sessenta ou setenta. Não me incomodo nem um pouco se eles ainda nem conheciam a cor. Eu transgrido com prazer e não me venham dizer que sou velho, saudosista e estas coisas. Tampouco sou revolucionário, destes que querem dominar o mundo, como aquele senhor das empresas DRAX tão perseguido pelo "double "O" seven". Aliás, que filme maluco: Moonraker. Décimo primeiro da série de James Bond (1979), com Roger Moore, Michael Lonsdale e as belas Lois Chiles e Corrine Cléry. Filme que passeia até pelo Brasil com a famosa cena do Bondinho do Pão de Açucar e no qual uma perseguição de lancha no alto Amazonas termina com uma queda em Foz do Iguaçú. Filmado em Londres, California, Veneza, Rio e até no Espaço Sideral, este épico, hoje, seria desmembrado em pelo menos cinco filmes diferentes. As pessoas não tem mais paciência nem imaginação. Dizem que é preciso muita imaginação para dizer tudo em cento e quarenta caracteres. Eu acho que não...

quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

Acordo de cavalheiros

Acordo de cavalheiros é o que se convencionou chamar de acordo informal entre duas ou mais partes. É típicamente oral, apesar de poder ser por escrito e muitas vezes apenas subentendido como uma convenção não verbalizada de mútuo benefício como na etiqueta e comportamento social. A essência do "acordo de cavalheiros", no entanto, está em que sua consecução depende da honra dos participantes. Portanto, não pode ser forçada sua execução, como nos contratos por exemplo. 
Feita esta pequena introdução, recomendo que assistam o filme "Gentlemens Agreement" com Gregory Peck e Dorothy McGuire de 1947, vencedor de três Oscar e que no Brasil se chamou "A Luz é para todos". O filme trata específicamente de anti-semitismo, mas é uma verdadeira lição acerca das várias formas de preconceito e suas manifestações, sua crueldade e covardia. Vale, perto do final, um discurso feito pela mãe do protagonista vivido por Peck de como ela gostaria de ver o mundo para as próximas gerações. Interessante ver como o cinema americano se esforçou, ao final da segunda grande guerra, em combater as atrocidades recém descobertas nos campos de concentração.
Mas, mesmo passados mais de sessenta anos do filme, vê-se que a temática é atual e, principalmente, no Brasil onde os preconceitos são bem guardados e externados sem palavras explícitas.

terça-feira, 3 de janeiro de 2012

2012

O ano começou e eu já levantei poeira. Meu escritório mudou-se para a o coração da Capital e está agora em plena Av. Paulista. Com vista privilegiada no envidraçado sexto andar, com o Metrô na porta, do prédio de número 2202. Nada mal: 2202 em 2012 kkkkk De resto, muita energia, muita disposição e preparação, afinal: "sorte é quando a preparação encontra a oportunidade" (certo?!)