PINTEREST

quinta-feira, 25 de agosto de 2011

O abalo sísmico... 50 anos

Isso mesmo: terremoto! Mas não daquele que faz cair coisa da prateleira e incentiva pessoas de pijama a irem para o meio da rua. Não, nada disso. Falo do Terremoto cujo efeitos o Brasil sentiu por mais de 20 anos. A renuncia de jânio da Silva Quadros em 25/08/1961... Ô Fera maluca. Pensou que viriam correndo atrás dele, pedir para voltar e outras bobagens mais. Que nada... Os militares ficaram tão nervosos com a possibilidade do Jango assumir que esqueceram do Jânio. Tiro pela culatra é isso! Sem dó nem piedade. Olha, sujeito maluquete tava lá. Inventou o político moderno, o marqueting eleitoral da vassoura e da banana embrulhada em jornal velho. Quando no palanque, desenbrulhava uma banana de um jornal velho e gritava a plenos pulmões de que aquela seria a sua refeição naquele dia. O povo delirava já com a vassoura, imagina quando viam a banana no jornal... Rapaz, a figuraça aprontou até onde não dava: pendurou medalha no peito do Chê Guevara. Quem teve esta coragem? Me digam... 
Depois, foi a lambança das lambanças... e acabou Prefeito em Sampa. A gente até gostava do cara. Desinfetou a cadeira, em um episódio que acabou famoso e envolveu o Sr Fernando FHC Henrique Cardoso. Ele mesmo saia para multar, vistoriar e até ralhar. Jânio escrevia bem, falava melhor ainda e tinha suas tiradas absolutamente geniais. Algumas ele talvez nunca disse, mas o folclore grudou-as nele. Frases do tipo: "Fi-lo, porquê qui-lo" e "Bebo porquê é líquido, se fosse sólido, comê-lo ia"; já fazem parte do anedotário nacional... Mas se você quer conhecer um Jânio que você ainda não conhece, recomendo que se leia "Os dois mundos das três américas". Upa-lá-lá... esse vale a pena.


PS: a primeira foto é do adeusinho na Base Aérea, quando da renuncia... A segunda e a terceira não precisam legenda. Tudo da internet, sem pai nem mãe. Eu ainda sei dizer que a primeira é da Agência Estado, mas as outras duas... desculpem.

PS2: hoje foi o enterro de um colega meu lá dos tempos do curso primário, do tempo em que ainda tinha Guarda Civil, Pirulito Kibom e Professora que dava na gente com régua de madeira... Tempos em que os tanques começaram a circular pelas ruas, graças, em grande parte, ao gesto tresloucado deste Senhor Jânio.  RIP