PINTEREST

terça-feira, 31 de maio de 2011

"O caçador de empresas"

Alguém lembra do artigo da Veja de 1997 intitulado "O caçador de empresas"? Não? É... dizem que o povo tem memória curta. Pois eu não... E gostaria de saber se as meninas que assinaram aquele artigo ainda estão por ai, se ocupam cargos relevantes, se seguiram carreira com o mesmo brilhantismo com que compuseram àquelas frases. Frases do tipo: "Atenção, estudantes de economia e administração. O mundo dos negócios está hoje contaminado por uma multidão de teóricos que enchem os bolsos de dinheiro explorando a insegurança dos empresários. É bom que se saiba que o banqueiro Fernandes não tem nem o diploma de ginásio Mansur não passou do segundo ano de uma escola de direito. Eles não leem tratados de megatendências ou reengenharia. As consultorias empresariais infladas de Ph.Ds, que cobram os tubos, não foram convidadas para discutir o negócio da Mesbla. Os dois usaram outras qualidades, como instinto, voracidade, lábia, oportunismo."
DEU NO QUE DEU! A Justiça paulista condenou o senhor Mansur a 11 anos e meio de prisão por gestão fraudulenta no Mappin Previdência Privada e no Banco Crefisul. Afirma o Juiz Cavali em sua sentença que “na véspera da liquidação extrajudicial da instituição financeira [Banco Crefisul], o acusado [Mansur] teria realizado saque a descoberto no valor de R$ 10 milhões, além do banco já apresentar débitos superiores a R$ 120 milhões apenas com o Banco Central”.
 Leia o quadrinho que a Veja publicou em 97 e tire as suas próprias conclusões. 
Com a palavra Eliana Simonetti e Raquel Almeida, subscritoras daquela reportagem...


 
PS: Hoje é dia mundial de luta contra o tabaco. Só Deus sabe quanto eu luto contra isso todos os dias, principalmente depois que abandonei o uso já fazem dois anos. Viciado o cara é e pronto. O que se pode fazer é não usar, com muito sacrifício e força de vontade. 

3 comentários:

Carlos Eduardo da Maia disse...

Tarde, tadinhas das repórteres. Elas não tinham condições de saber que o cara, o grande empreendedor que jogou polo com o principe Charles era um picareta.

Terráqueo disse...

Tomara que além de condenado, ele cumpra a pena, pois geralmente cadeia no Brasil é somente para pobre. Boa memória a tua. Abs.

TARDE disse...

Pois é... Eu também amo Londres, casei com uma princesa e penso sériamente em ser sério... Só não pode dar cana (kkkkkkkkkkkkkk)