PINTEREST

domingo, 30 de janeiro de 2011

SURF

Parte da minha juventude passei em cima de pranchas, skates e esquis. Quando esse filme passou nos cinemas eu, por circunstâncias alheias à minha vontade, não pude ver. Com o MIRO e o Torrent (Btjunkie) acabo de ter acesso definitivo ao visual especialmente bem elaborado desta produção. É show!!!



sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

adoro MARS

E por conta de uma estória esdrúxula, somada ao egoísmo exacerbado de um doce casal... só come MARS no Brasil quem tem dinheiro para ficar indo para o exterior. Um absurdo!

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

BIUTIFUL

Então, fui ver Biutiful e posso afirmar que  não entendo os críticos do UOL e da Veja. O que querem estas pessoas? Querem aparecer mais do que o cineasta? Estão com medo de perder o emprego e o patrão aprecia jornalistas polêmicos (ou seria poli-mico)? Já sei: vivem na mesma redoma que Leonardo di Caprio e seus filmes “cerebrais” ou, talvez, tenham a mesma percepção estética daqueles que conseguiram indicar um desenho animado para a categoria de melhor filme... Pai dégua, what a mess! 
Anyway... Biutiful é um desses filmes que estão além das palavras e dos resumos simples... Em que nem parece ter havido roteiro ou storyboard, pois a vida passa na frente do espectador: é isso! Apenas isso. Não é forçado, ensaiado... é só vida, circunstância e acaso. Como se trata de Iñárritu, você pega estes ingredientes e põe na coqueteleira e serve naquelas taças geladinhas com borda açucarada. Barcelona é o cenário, mas não se iluda, pois pouco vai ver da cidade que os turistas tanto adoram. Na verdade, quase nada. É vida nua e crua, com clandestinos, exploração, corrupção, cafajestes e solidariedade, temperado com aquele amor louco e bipolar que só Marambra (Maricel Álvarez) e Uxbal (Javier Bardem) conseguem protagonizar. Se você não for cardíaco ou chorão, esse é “O” filme. Uma espécie de caminho para a redenção, iluminado por ausência de luz (ou coisa do gênero). Afinal, ninguém mandou Uxbal aceitar dinheiro por um Dom que recebeu de graça. Certo? E se você pensa que eu já contei o filme... se enganou redondamente!

terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Toy Story

Chegamos ao inimaginável. Uma animação ser indicada a "melhor filme" pela Academia "role woody e ana". E, para a satisfação geral, Woody e Ana rolaram de rir. Se não me falha a memória, existe uma categoria de filmes chamada de "animação" e, portanto, um filme de animação não concorre com um filme que não é animado. Ou não? Supondo então, que o filme que não é animado é um filme desanimado...  podemos inferir, inclusive, por outros prêmios anteriormente distribuídos, que já estava na hora de a estatueta ir para um filme animado... e por ai vai. Mas, enfim, a lista dos filmes (que me deixou desanimado) é a seguinte:

Melhor filme:


E você? O que achou? E não vale vir com aquela do: "achei uma correntinha"...

a Capital da Pacata Vila comemora seus 457 anos

O gago, que não conseguiu ser admitido como professor em Coimbra, e um seu amigo, poeta que escrevia na areia da praia, resolveram fazer graça ao Bom Deus e fundaram em meio aos índios uma escolinha. O que conseguiram, na verdade, foi entrar para a História, pois a atitude, políticamente incorreta, de aculturar índios, não abre o Reino dos Céus. Ambos, hoje, são nome de rodovia por estas bandas, seja lá o que isto quiser significar a mais do que a preservação da memória pátria e a tentativa de induzir às novas gerações a curiosidade de saber quem foram seus antepassados, além dos fundadores do PT.
Hip, Hip, Hurra!


domingo, 23 de janeiro de 2011

As Cantoras do Rádio



Comprei este DVD por não ter tido a oportunidade de assistir quando estava nos cinemas. Não me arrependo. Já vi duas vezes e é emocionante.

sábado, 22 de janeiro de 2011

Babá de Pedreiro...

Eu fico pensando porquê gastei vinte anos da minha vida fazendo isso? Nunca saberei a resposta, nem mesmo se viver mais duzentos anos como Beto Guedes. Mas, enfim... Passei meu dia como babá de pedreiro. Como tenho alguma experiência e nos últimos anos fui adepto de um canteiro de obras limpo, comecei municiado com uma vassoura. Além de varrer quase que o tempo todo, evitei que uma porta de lata vagabunda estourasse minha porta nova de Blindex, além de cuidar do entulho e outros objetos pelo caminho. Um estorvo. Fato é que inicio meu ano removendo uma abertura inútil, uma porta que sempre esteve trancada e de nada servia se aberta fosse. Bad Carma, diria Kramer - o vizinho do Seinfeld. Esta pequena reforma me obriga, depois, a chamar o pintor e a dar ares novos ao meu ambiente de trabalho. Tudo isso é apenas o início de uma reforma maior que dentro de trinta dias fará surgir um modesto espaço de debates, fruição de idéias e ideais, além de semear o congraçamento em saraus mais do que democráticos. Todos, desde já, devem se considerar convidados.



sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

Segurança Institucional...

O Gabinete de Segurança Institucional afirmou, segundo li na Folha de São Paulo, que as "despesas com cartões feitas por agentes são sigilosas". Estas "despesas" montam à casa dos Milhões de Reais, foram feitas por servidores públicos, até prova em contrário, no exercício de suas funções. Portanto o povo tem o direito de saber, a menos que o Governo Lula queira (definitivamente) entrar para a História como um "ninho de cobras" o faria. Com a palavra a continuidade chamada Dilma.
É claro que estas pessoas tinham uma grande ogeriza aos Governos militares e seus métodos pouco ortodoxos de obter informação e governar. Isto, porém, não autoriza os Lulas, as Dilmas e os Dirceus de copiarem as despesas secretas. Deste jeito eu e os demais brasileiros poderemos pensar o que bem nos aprouver, inclusive que os Cartões Corporativos são utilizados para pagar cerveja.

 

quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

Brasil turístico

Ontem fui ao aniversário de uma querida amiga que conheço desde meus onze anos. Ela me contou que mudou recentemente de atividade ao tornar-se Guia de Turismo. Apesar de não me parecer muito entusiasmada, ela tem um campo vasto pela frente. Além de todos os atributos turísticos deste país e de seu enorme potencial, se ela apenas cuidar para que a atividade se profissionalize já estará prestando um inestimável serviço à Nação.
Digo isso apenas pela minha experiência no assunto. Não sou muito de andar por ai com guias, mas vez por outra não se escapa da companhia deles. Certa vez, no Maranhão, não me lembro mais em que circunstâncias, acabei numa turma em que o Guia uniformizado não fechava a matraca. Todo sem fôlego anunciava desde o quartel em que Alcione aprendeu a tocar trumpete até a vasta contribuição dos portugueses para a cultura nacional, tal como os amarelejos, os verdelejos e, é claro, os azulejos das ruínas de Alcântara.
Outra experiência minha, esta recente, foi na visita ao Museu da Cachaça em Maranguape (CE) na qual tive de ouvir de outro Guia (também uniformizado) que estava a passar ao largo de um Arqueduto. Ora, na minha idéia, dutos transportam algo e se é água, só pode ser Aqueduto e não Arqueduto.
Percebe Cris? Há muito por fazer!

quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

Ainda o Belas Artes: Saiu na Folha!

DESTINO IMPREVISÍVEL
 
O que não se pode prever é o desenrolar do cabo de guerra entre os proprietários do imóvel e do cinema.
Se houver um novo acordo de aluguel, o filme deve ter um final feliz. Se o negócio continuar desfeito, o prédio na esquina da avenida Paulista com a rua da Consolação pode, simplesmente, ficar com as portas cerradas.
O Estado, afinal de contas, não pode obrigar o proprietário do imóvel a tocar ali a atividade cinematográfica.
O tombamento garante a estrutura física do bem, mas se Flávio Maluf quiser manter as luzes do Belas Artes apagadas, ninguém poderá obrigá-lo a acendê-las.
Cabe lembrar que a cidade de São Paulo possui, na região central, sete cinemas tombados: Cine Art Palácio, Cine Dom José, Ipiranga, Marabá, Marrocos, Metrópolis e Paissandu. Todos eles foram considerados patrimônio da cidade no processo de tombamento da área do Vale do Anhangabaú, em 1992.
Quase 20 anos depois, o único que voltou a funcionar como cinema foi o Marabá, transformado em Multiplex. Os outros estão fechados.
O Ipiranga e o Marrocos já foram decretados como bens de utilidade pública e a secretaria de Cultura tem projetos prontos para ambos.
Se a história ensina que o tombamento, por si, não basta, o episódio mostra que São Paulo, tradicionalmente desapegada de sua feição antiga, desenvolveu um instinto de preservação patrimonial e cultural. Além de um espaço que resistiu ao tempo, os paulistanos parecem ter decido manter um espaço que resistiu à mesmice cultural. 

ANA PAULA SOUSA
DE SÃO PAULO 

terça-feira, 18 de janeiro de 2011

Um pouco mais de lenha na fogueira... ou qual é a chave da questão?

Ou será que estamos com o extintor carregado de gasolina? Pois bem: iniciou-se o processo de tombamento do cine Belas Artes. Vão discutir muito mas, a partir de hoje, o proprietário não pode mais fazer modificações no prédio. Aliás, o prédio em si não está com nada. Não rep´resenta estilo arquitetônico nenhum e/ou coisa nenhuma vezes nada. Não há o que tombar ali. A única coisa que se consegue é derrubar o valor comercial do lugar. Eu pergunto: tombar o que? A programação alternativa que aquele lugar possui? Vamos ver o que o tal do Conselho será capaz de deliberar... 
Não podemos esquecer que o tal do Teatro Cultura Artística, aquele que pegou fogo lá na Rua Nestor Pestana, só teve o seu Tombamento decretado após o incêndio que o consumiu por completo. Tipo assim, uns quinze anos após a abertura do processo... O Estado é muito legal em atender a população e as suas necessidades explicitadas em passeatas e Blogs de protesto, só se esquecendo de dizer quem vai pagar a conta. No caso do Cine Belas Artes, tenho certeza de que este assunto ficou em aberto. Que tal tapar o sol com a peneira? Quem topa? Ou será que alguém, em sã consciência vai frequentar um cinema cujas instalações estejam precárias por falta de manutenção adequada? O Cultura Artística pegou fogo sem ninguém dentro, já quanto às inúmeras salas de projeção do Belas Artes... nunca se sabe.
Gente: a cultura universalizou-se. Há acesso para todos e não é a programação de um único cinema que vai garantir a qualidade da informação dos paulistanos. Consultem Al Gore (isso mesmo!) pois ele está lá pela Campus Party defendendo a liberdade da internet e alertanto contra controles e tutelas...


segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

Cine Belas Artes

EU quero deixar meu testemunho, mesmo que isso me custe algumas amizades. Não acredito em nada mais. Eu perdi o cine Bijoux, qual a diferença em perder o Belas Artes? O Blue Riviera também foi. Era bom atravessar de um para o outro. Primeiro se discutia, depois se via e ao final se bebia. Você podia inverter tudo também. Cada qual com seu jeito, sua trupe, sua tribo e seu horário. Não tinha Bijoux sem Amico Piolim, não tem graça o Belas Artes sem o Riviera. Houve "uma turma" (tipo Pulp Fiction) que fez um abaixo assinado, abriu um Blog... Tudo para impedir o proprietário de comer. Proprietários também comem. E, pasmem, ninguém ainda achou de falar mal do Banco, o grande vilão da História. Alguém já foi perguntar? E o que será dos cines "Unibanco"? O HSBC já deu a dica. Gente, é o seguinte: o Cine Tam virou "Cultura", pois era ao lado da livraria que tinha peso na consciência por ter transformado um outro cinema em livraria. Já foram a Buenos Aires? Lá tem uma livraria que já foi Teatro... ninguém reclama. A fila anda, sabiam? De que serve um cinema pulguento em uma avenida movimentada, barulhenta e insegura, que serve pipoca com fuligem? Cidades pelo interior afora perderam seus cinemas para igrejas "more or less". Alguém se lembrou de pedir tombamento? Isso tudo só porquê o cara que administra o Belas Artes está ligado aos órgãos do Governo e está usando seus conhecimentos e influência para tirar vantagem e não pagar aluguel. Vamos ACORDAR. Detalhe: ninguém gosta mais de cinema que eu, mas ninguém vai me ver defender uma coisa dessas. Jamais! Se isso não for corrupção in some sort of way... não sei mais o que é.


sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

Juízes...

A julgar pelo andar da corrocinha, precisamos cada vez mais que alguém nos diga o óbvio. Está mais do que na hora de acabar com esta postura paternalista que os donos do poder (qualquer poder ou pedaço dele) gostam de ostentar. Sabe aquela coisa de "eu sei do que você precisa...". Pois muito bem: todos sabemos que a telefonia celular no Brasil beira a piada. É caro e ruim. 
Para quem sabe do que falo o speedy é ridículo e a única Banda larga que se pode chamar pelo nome é a GVT. O catso, é que esta tal de GVT só tem aonde acha por bem, ou seja, naqueles Municípios aonde o poder aquisitivo é elevado. "Sorry Periferia", não é pra todo mundo. Experimentei esta maravilha na casa de um parente (pois aqui na Pacata Vila dos Tempos do Império não tem) e passei a achar o meu três G indigno desse nome. Qual não é a palhaçada... que hoje leio no UOL a seguinte manchete:

Justiça proíbe TIM de vender novas linhas no Rio Grande do Norte

Ao conceder a liminar solicitada pelo Ministério Público Federal o Juiz escreveu: “O que mais espanta é que as empresas de telefonia móvel no Brasil praticam preços extorsivos. Temos a tarifa mais cara, ou uma das mais caras do mundo, com péssimos serviços. Os lucros são aviltantes, superando, em muito, qualquer razoabilidade inerente ao capitalismo de qualquer país primeiromundista, enquanto que a prestação de serviço é desastrosa, de terceiro mundo!

Espantoso, não?!

E as outras operadoras? E o país inteiro que não conseguiu dizer Feliz Natal ou Feliz Ano Novo? Como é? O próprio MPF precisou de um relatório de fiscalização da Anatel para agir. E eu pergunto de novo: Pra que serve essa tal de Anatel se seu relatório de fiscalização precisou do MP para servir pra alguma coisa? 

PS: Estou de saco cheio!! 

terça-feira, 11 de janeiro de 2011

O molusco continua sendo o problema!

Então... o molusco se foi, veio pra Sampa. Mas tem um molusco arrasando no Rio. A Comlurb e a Fiocruz estão disponibilizando telefones e funcionários para conter a praga do caramujo africano. Maluco traz o caramujo achando que vai substituir o escargot (que nojo!) e depois vê que não dá muito certo essa coisa de comer molusco terrestre... e hoje enfrentamos superpopulação dessa "coisa" tipo embaixadora do Distrito nove (AHGGG!). Sabe-se que os moluscos apareceram no período cambriano recente. Viu!? Coisa da pré-história, sacou?! Parece que jamais nos livraremos dessa praga! Imagina se a moda pega em Sampa? Com essa aguaceira toda...
Ó, tem castanha, doce de caju e vestidinho, direto de Fortaleza, com mandantes diferentes e destino idêntico cravado na Grande Sampa, lá pelas bandas de Santo André... Só não deu pra trazer a tapioca... mas dá pra sentir a onda da guitarra de Luiz Carlini, sempre! Salve Luiz!!!

Upa Upa, Ula - lá!

A julgar pelas primeiras horas do ano, o resto estava com cartaz de piores momentos da vida. Mas, ao longo dos dias, com o passar das horas, as melhoras foram significativas. Assim que cheguei para trabalhar encontrei as agendas "Poesias e Pensamentos" da All Print Editora me esperando e a edição dos Melhores Contos de 2010 para a qual meu trabalho foi votado por um misto de juri e contribuição do público pela internet. As coisas parecem se acomodar, como um samba do crioulo doido levado a cabo pelo sentinela da Guarda da Rainha em Buckingham (se é que me entendem). Eu ainda acho legal colecionar isqueiros e cinzeiros, mesmo tendo parado de fumar há mais de ano e meio. Possuo um aquário seco (e digo que isso é possível, pois o vejo todos os dias) no qual coloco pedras de todos os lugares em que vou. E as idéias fluem como caranguejo nas ondas que lambem a areia, num vai e vem infinito. Minha inquilina que lia Tarô se foi e agora já posso colocar o lugar de pernas para o ar. Que venham os Pedreiros! Com a graça de Deus, a eficiência do Bit Torrent (mesmo com os problemas do Miro)  e a magnanimidade de sua Excelência o Senhor Doutor Juiz, talvez já neste semestre possamos inaugurar nosso tão sonhado Cine Clube que será batizado de Cine Clube "A. Carvalhaes" (que foi um dos maiores pesquisadores brasileiros da comédia cinematográfica, reunindo um valioso acervo de obra-primas, de gênios como Charlie Chaplin, Buster Keaton, Harold Lloyd, Bem Turpin, Harry Langdon, Mabel Normand e Laurel & Hardy). Falecido em 1979, deixou grandes contribuições pelo Brasil afora e foi decisivo para que eu gostasse de Cinema (com "C" maiúsculo) ao ministrar um curso ao longo do ano de 1975 todas às quartas-feiras. Ao mesmo tempo, entrementes e sem cerimônia, vendemos ... Quer comprar?

domingo, 9 de janeiro de 2011

Balanço Geral:

Pensei muito antes de escrever aqui hoje. Ponderei bastante e para não arrumar pra cabeça, vou me limitar a dizer nada. Curtam as fotos...
 

quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

Viagem ao Fundo da Sala...

O característico humor de Tibor Fischer, assim... tipo imaginação desenfreada + análise acurada da alma humana + clube de sexo + agorafobia + crítica ácida... vai e vem na Londres sem data ou melhor, na guerra da Bósnia... acho que me confundi com alguma ilha do Pacífico ou Barcelona. Deixe estar. Não é importante. Importante é saber que "o mal em estado puro é só se importar consigo mesmo, ainda que os efeitos disso às vezes sejam tão pouco dramáticos quanto simplesmente estragar o sono de alguém". Imperdível!