PINTEREST

terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Mais um ano...

Ano do centenário do Teatro Municipal de São Paulo. Prédio muito lindo. Ano dos 400 anos de Mogi das Cruzes, que já foi minha cidade por quase quatro anos. Tem lugar privilegiado na memória. Para quem acompanhou o blog, também sabe que foi bicentenário do refinado compositor húngaro Liszt. Foi ano de engordar e emagrecer, com saldo negativo: continuo acima do peso desejado. Foi ano de fugir da academia, em todos os sentidos: tanto no acadêmico, como no esportivo. Foi ano de muita dificuldade. Foi ano de grandes decisões, mas cá estamos, prontos para a virada, para a arrancada, para espocar e brilhar. Que venha 2012! Para você, caríssimo leitor, um ótimo reveillon e toda a felicidade do mundo no ano que entra e o desejo de que continuemos criando e acontecendo. Vamos fazer juntos a melhor receita dar certo. Grande abraço!

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

#Insta4fun



É isso mesmo que você leu: #Insta4fun! Gente que ao longo do ano foi instalando o App do Instagram, e foi se apaixonando, se enfeitiçando. Pessoas que andam pela rua, não mais falando sozinhas, mas contemplando a paisagem (pelo telefone). Gente que parece de outro planeta, mas na verdade está é neste mesmo. A maior prova disso foi o incrível encontro de igers na Santa Pizza da Vila Madalena em Sampa. Um show de gente bonita e alegre. Uma somatória de auras positivas. Parabéns a todos e um Feliz Natal. Que 2012 seja o que parece querer ser: muita alegria e luz!




O lance foi o seguinte: além de simples reunião, a ocasião foi aproveitada para um "amigo secreto" especial, com fotos dos participantes. Cada um sorteou seu amigo na hora e foi feita a troca de fotos. Parabéns às meninas que organizaram o encontro @gmateus @judemari e @titaponte. 


Assim estava o varal a espera dos sorteios. Enquanto isso todos puderam apreciar as fotos e uma pizza excelente, além de agradável companhia. Foi muito bom.

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

Virando a própria mesa

Há momentos na vida em que ficar na zona de conforto é a pior viagem. Chegou a hora de virar a mesa. Basta deste marasmo, desta mesmice. Xô urucubaca! Mais uma vez, e Deus me permita muitas outras, estou de malas prontas, enfunando velas e rezando tirar o melhor dos ventos que me esperam. O rumo, a rota, eu tracei, planejei e vou cumprir, como de resto sempre fiz. Coragem e determinação nunca me faltaram e eu sei que sou capaz. Nestas horas me lembro sempre do velho e bom Hibrahim Sued que dizia: "os cães ladram e a caravana passa". Não sei de onde tirava isso, mas é a pura verdade. Que venha o 2012 que quiser, que eu traço. O meu... eu quero com recheio!
E com a companheira que hoje eu tenho, não há tempestade nem vagalhão que me aderne...

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Patrimônio

Certa vez, esperando meu metrô em Londres, fiquei lendo um cartaz que enaltecia a herança arquitetônica dos britânicos. A diferença é exatamente esta: eles encaram patrimônio Histórico, não como posse ou propriedade (como a palavra patrimônio pode sugerir), mas sim como herança, algo que se recebe para cuidar para os que virão depois. É um conceito muito mais abrangente e de cunho social. Pois bem, mais um ano se passou e - "o meu, o seu, o nosso" - Cine São José continuou à mingua. A cada chuva entra mais um pouco de água, nasce mais uma infiltração. Eu estava na Câmara Municipal de São Roque  quando o Presidente da Casa, enaltecendo suas próprias idéias e virtudes, teceu elogioas À Senhora Barioni e prometeu resgatar o Cine São José como espaço cultural sãoroquense. Qual o quê. O ano acabou e nada rolou...

domingo, 11 de dezembro de 2011

Dia do Arquiteto

Salve Galera! Hoje é dia do Arquiteto, esta profissão milenar, alegre, produtiva e, sobretudo, voltada para o bem estar. Bem estar pensado desde a moradia até o tecido urbano. Profissão multidisciplinar voltada para o Homem e sua qualidade de vida. Um belo dia acharam por bem designar-nos um dos dias do calendário para que possamos refletir e divulgar nossa profissão. Um dia? Que dia? Naqueles tempos dos Faraós, ai do Arquiteto de desejasse um dia de reflexão, virava logo comida de crocodilo do Nilo, que o trabalho nas pirâmides era muito. Na Grécia e na Roma antigas não deve de ter sido muito diferente, pois nunca soube de um Arquiteto herói, aclamado ou agraciado. Passaram-se os séculos e Dr. Getúlio deu-nos um Decreto, cuja data acabou ficando o dia do engenheiro e do arquiteto. Com o advento do CAU (Conselho de Arquitetura e Urbanismo) alguns colegas acham que merecemos um dia só nosso. Talvez o 15/12 (aniversário do Mestre Oscar) e muitos outros números e datas. Cada qual com sua significância e relevância. Tudo muito bom, mas no meu ver, deveríamos deixar como está. Apesar de termos agora "um Conselho pra chamar de meu", a data já está enraizada e é tão bom poder comemorar este dia nas Associações de Engenheiros e Arquitetos pelo interior afora. Tem sempre um abraço amigo, um bom churrasco e uma cerveja gelada. As famílias se conhecem e o papo flui. Afinal, nada melhor do que ter amigos.

sábado, 10 de dezembro de 2011

selvagens jujubas mecatrônicas

Como será o mundo amanhã? Não neste domingo, por óbvio, mas dentro de 50 anos... Outro dia vi um filme cujo título é "Things to come" (Daqui a cem anos) do William Cameron Menzies. Baseado em texto de H.G. Wells, este filme acaba prevendo um futuro sombrio de doenças e guerras. Detalhe: o filme é de 1936... Agora, se acrescentarmos um pouco de Eric Hobsbawm vemos que os dirigentes do mundo atual nasceram pouco depois da segunda Guerra Mundial e foram criados por mães do início do século passado. Daí, a pergunta que ele coloca de que "nós não vivemos mais no século XX, mas quanto do século XX ainda vive em nós?" Certo, tudo bem, não é tão simples assim, mas isso quer dizer apenas que qualquer previsão será feita com os paradigmas atuais. Pense lateralmente, rompa seus paradigmas e pense em assistir a final do mundial da Russia... no Pacaembu. Sim, por transmissão holográfica. Por quê não?! Mas, por favor, pare de alimentar seu filho com enlatados, sejam da Sadia ou da Globo.

domingo, 4 de dezembro de 2011

Reidy

Finalmente fizeram um filme. 
Ainda não sei se é "o" filme, mas isso só indo lá conferir...
Pois saber que é um dos "o" arquiteto, isso já sei faz tempo...

sábado, 3 de dezembro de 2011

Patchwork no Conjunto Nacional

Conheci hoje o trabalho da potiguar Benigna R. Silva e do paulista Wagner Vivan lá na área da rampa da Livraria Cultura do Conjunto Nacional. Fiquei encantado com a simpatia do casal e, principalmente, com o trabalho deles e dos artistas do atelier "Quilt Patchwork". A exposição fica por lá até o Natal e você pode adquirir os trabalhos atravé do site da Livraria Cultura.  Vale a visita.

OBS: na foto Benigna Silva e a poeta Gladys Ferreira

quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Socorro Chico Anísio, Jô Soares... Socorro!

Definitivamente, para não dizer outra coisa, o Humor brasileiro perdeu a classe! Aonde foi parar a qualidade, o humor inteligente de Chico Anísio, Jô Soares, Renata Fronzi, José Vasconcelos, Renato Côrte Real, Berta Loran, Carlos Alberto Nóbrega, Max Nunes, Haroldo Barbosa e tantos outros cujos nomes não recordo e desde já peço desculpas por isso. Meu Deus do Céu, o que passa na cabeça dos meninos de hoje que acham que desrespeitar o próximo é fazer humor. Já não bastam os casos escabrosos do Rafinha Bastos, agora me aparece uma turma de uma emissora a detonar pessoas doentes. É o fim da picada. Isso não é humor nem aqui nem na casa do chapéu. Aliás, o que será que deu na TV brasileira de achar que azucrinar o próximo, achincalhar, enaltecer diferenças e sapatear sobre a sexualidade do ser humano é fazer humor? Vou mandar uma caixinha de semancol pra esta turma tomar de oito em oito horas... E não vem com esse papo de censura ou patrulha. Patrulha fazia o Juruna com seu gravador a tiracolo. Uma coisa é uma coisa e outra coisa é outra coisa, e desrespeito é ofensivo, nunca engraçado. Certo?!

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Patrimônio Histórico

Visitei mais uma vez Mairinque, desta vez por motivos profissionais. Ir a Mairinque significa passar sob a linha férrea, significa olhar o prédio da estação projetada por Victor Dubugras (1868-1933). E, sobretudo, significa ver a ferrovia em estado crítico. A estação cercada como se doente fosse, muita carga e nenhum passageiro. Depois da privatização as ferrovias paulistas deram as costas para o povo. Eu sei que o atual governo está fazendo algo, está tentando atrair pessoas e recursos para criar novas linhas de passageiros, sobretudo linhas turísticas. Eu sei também que os trens de passageiros precisam dividir as linhas com as cargas, cujo retorno financeiro e econômico é muito superior. Eu sei também que trens são detentores de um custo grande de implantação e manutenção. Agora, venhamos e convenhamos, além de ser uma questão de patrimônio, de história, a ferrovia é um meio de transporte barato para o indivíduo e deveria ser prioridade de qualquer governo, não só da região metropolitana de São Paulo. Ao mesmo tempo, vejo que este problema não é apenas brasileiro. Em meio à crise européia, a Hungria sofre do mesmo mal. Recebi umas fotos do estado de abandono e sucateamento em que se encontram composições em Budapest. É triste constatar que quando o capitalismo mostra seu lado predatório poucos possuem força e organização para se opor. 




sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Todo mundo loco... ôba!!

E no Brasil acharam mais uma coisa pra imitar lá do norte. Os estadunidenses gostam de fazer uma mega-liquidação na sexta-feira imediatamente posterior ao feriado de ação de graças. E ainda chamam a coisa de "black friday". Neste caso, a imitação até que é bem vinda... A rapeize ficou de butuca na madruga até que a fila andou e puderam comprar elétroeletrônicos (credo: é assim que se escreve?) com até 70% de desconto. A moda este ano se estendeu também para algumas lojas virtuais e eu não perdi tempo: agarrei meu Eric John Ernest Hobsbawm de 60 por 39. Ô coisa boa!


Vou abrir um parentesisparenteparental: 


"Americano, norte-americano ou estadunidense?"


quem responde é Sérgio Rodrigues :


(http://veja.abril.com.br/blog/sobre-palavras/consultorio/americano-norte-americano-ou-estadunidense/)

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

20 anos

Vinte anos é chão pra burro nenhum botar defeito. Fazem vinte anos que não temos Fred, mas o Queen tá firme e forte. Para aqueles que duvidavam disso deve ser uma surprêsa. O mundo deu muitas voltas nestes vinte anos, mais precisamente 7300. Vinte anos atrás minha maior preocupação era em qual escola matricular meu filho para que ele iniciasse o curso primário dele. O tempo passa amigos, o tempo passa. Apesar disso... Ontem fui ver Jean Luc tocar seu violino mais uma vez. Fez muito bem à alma. Só lamento não ter pensado em levar um Lp para ele autografar... às vezes penso, outras não. Certa vez tive oportunidade de até tomar um wisky (é assim que se escreve?) com o genial Professor Miguel Reale e cadê que eu lembrei de levar o meu exemplar do livro escrito por ele. Cadê? Agora, meu amigo, nem se eu for no Centro espírita...

terça-feira, 22 de novembro de 2011

Shopping

Olha, eu sei que é Natal, eu sei que chove, que São Paulo é violenta, que as pessoas adoram passear em shopping. Eu sei de tudo isso. Sei também que curto muito o tal do bom senso... e definitivamente não foi o que vi nestes últimos dias. 
Muito bem, vamos ao que interessa: fui ao Shopping que diz que vai sortear seis carros no Natal e que fica lá pelas bandas do Itaim. Pois bem, depois de feita a compra descobri que não tenho direito aos supóstos números da sorte pois não resido na cidade de São Paulo. Fiquei pasmo. E é do regulamento... Só por residir uns km pra lá, não posso concorrer aos carros, a nenhum deles. Ou seja, freguês de Alphaville, Barueri, Santo André, São Roque e mais umas trinta e oito cidades a menos de meia hora do buteco não interessa. Que morram à mingua, antes de eu pisar de novo lá. Que se danem todos os lojistas daquela espelunca. 
Você pensa que ficou só nisso? Pois bem, resolvi ir ao Shopping novo de Alphaville, aquele daquela família rica de políticos do Ceará. Rapaz... alí tem cinema com garçon no meio do filme, sorvete salgado e praça de alimentação deserta. Uma beleza de cinema, poltronas "superhiper" confortáveis, com direito a descontar do preço do ingresso os km ganhos no abastecimento do carro, mas... tchã tchã tchã tchãnnnnnn: você escuta a chuva lá fora em um volume tão alto que perde o diálogo do Nicholas Gaiola com a Nikole... Aff. Ainda bem que eu só paguei o ingresso de plebeu e não me meti a gastar cem conto (o casal) pra ver o garçon passando pra lá e pra cá na sala de projeção. Aliás, que filme ruim é esse? Isso não é nada perto do fato de que em cinco salas está passando "o amanhecer" e em nenhuma outra delas algo que preste. Só para registro dos leitores, vou dizer que tem seis salas lá. E todas vazias, pois não tem ninguém lá... afinal daqui a um mês é Natal.


PS: foto da net: Becky Bloom  proceis.

sábado, 19 de novembro de 2011

quer ler um bom livro?

Pois tem coisa boa de montão. Tem Umberto Eco novo, tem Saramago novo, tem clássicos, tem pra todo gosto. Eu, por exemplo, estou sempre lendo e gosto de alternar um livro de ficção com um de história (ou teoria) e até os de doutrina jurídica. Nesta alternância, na quinta (antes de ontem) peguei para ler o excelente "Entre rinhas de cachorros e porcos abatidos" de Ana Paula Maia. UAU! Meu deus... devorei. E hoje já peguei "O Brasil Republicano - O tempo do nacional-estatismo (do início dos anos 30 ao apogeu do Estado Novo)"
Muito difícil eu ler assim, em um ritmo alucinante, mas este livro você só consegue ler se acompanhar a loucura dessa representação da realidade trazida pela Ana Paula Maia. Uma realidade crua...
Pé no estribo e mão no cano... (Não entendeu o que esta foto faz aqui? Leia o livro...)


PS: hoje fazem 42 anos que Pelé fez seu gol mil no Maracanã em cima do goleiro Andrada do Vasco...

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Servidores em greve...

E a novela dos servidores do judiciário trabalhista da 2ª Região continua. Eles insistem em receber e o Estado insiste em não pagar. E quem se fú? Quem? Quem? Nós, os advogados... Claro, ora se nada anda, nada chega ao fim e nós não recebemos. Advogado na esfera trabalhista só recebe se o cliente receber, portanto, só quando os processos chegam ao seu término. E tem mais, das noventa Varas do Trabalho do Forum da Barra Funda, umas dez estão funcionando. As outras estão como estas da foto (que eu tentei ver processo ontem - 17/11). No elevador tive a oportunidade de perguntar a uma Servidora: Por quê não fecham logo a porta de entrada? E ela respondeu que isto ficava a cargo de cada Diretor de Secretaria... Não tem comando de Greve? Ah, e a direção do boteco fica brincando de suspender prazo por conta da instalação de um cadastro de devedores para futura emissão da Certidão Negativa de Débitos Judiciais... Já estamos nessa lenga-lenga desde o mês passado e nada de sequer tentar uma solução. Os jurisdicionados e os advogados que se lasquem... Cadê o bom senso?


17º Forum de debates Brasilianas.org

Desta vez o tema foi Tecnologia Nuclear. Capitaneado por Luis Nassif, com a presença de Leonam dos Santos Guimarães (Chefe de Gabinate da Eletronuclear), Rex Nazaré (Diretor da FAPERJ), Francisco Rondinelli Jr (coordenador de planejamento da CNEN), Deputado federal Dr. Ubiali (Frente parlamentar mista em defesa do programa nuclear brasileiro), Edson Kuramoto (presidente da Associação Brasileira de Energia Nuclear) e Ricardo Galvão (Sociedade Brasileira de Física).
Foi uma aula de Brasil com grande didática e uma abrangente exposição sobre os panoramas mundial e brasileiro de consumo e fornecimento de energia. É pena que o deputado da Frente Parlamentar que deveria defender o programa nuclear brasileiro ser tão desinformado. Mas foi tão flagarante que acabou convidado por Leonam a visitar as instalações em Angra e foi corrigido publicamente de que seu pensamento quanto à obsolescência das nossas instalações está redondamente enganado... E este é um cara que pensa que defende alguma coisa ou alguém... ai ai

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

esta é a triste realidade...

Situação dos Professores no Brasil
(clique na imagem para ver melhor)
fonte folha/UOL

terça-feira, 15 de novembro de 2011

e a criança nasceu...

Era uma noite chuvosa e a expectativa estava no ar, como aquele cheiro do café que fica no bule na beira do fogão de lenha. Colocaram água para ferver e passaram alguns panos e fraldas. Tudo estava pronto e a parteira, chamada às pressas na fazenda vizinha, foi tirar um cochilo. Dona Neusa urrava de dor vez ou outra e alguns já pensavam no pior. A vizinha e a cunhada diziam que a criança tinha virado, que o formato da barriga era estranho, que a gestação tinha sido incomum... Seu Ozório não pregava o olho, preocupado com a chuva a lhe estragar a colheita, logo agora que ia ter mais boca para alimentar. De meieiro passara a proprietário e estava prestes a trocar seu administrador. Tudo ao mesmo tempo. A madrugada transcorreu lenta e nebulosa até que com os primeiros raios de sol o trabalho rendeu e ecoou pela casa o choro da criança. A euforia tomou conta de todos e até o som das aves matinais foi incomum. Exausta, Neusa pediu para o marido olhar na folhinha o nome do santo do dia. Rezara nas últimas doze horas fervorosamente, prometendo o nome do filho ao santo que lhe guiasse o caminho. Assim foi feito. Procurou a folhinha na parede perto do fogão e por não achar os óculos pediu ao compadre Duque, seu amigo e vizinho, que lesse o escrito junto da data. Procrep! O quê? Procrep. Credo, que santo é esse? Sei não... sei não... Mas a Neusa é muito fervorosa e se ela pediu... Logo que o sol firmou, Seu Ozório e Seu Duque pegaram a estrada e foram ao Cartório. Nome da Criança? Procrep. O quê? Procrep. Bom, o senhor tá dizendo né... escreve ai: PROCREP. Certo. Data de nascimento: 15/11...

domingo, 13 de novembro de 2011

An Education

Ninguém ainda sabia disso, mas o mundo estava prestes a mudar. Era o pós-guerra e todas as usas questões urgentes. Ataque nuclear? Nada disso. Beatles? Ainda não... E para não enrolar muito, situemos em um subúrbio londrino, em uma escola tradicional. Meninas aprendem a fazer bolo e andam com livros sobre a cabeça... OK? Muito bem, acrescente uma adolescente com 16 anos, um bocado de sonhos e um aproveitador metido a esperto na casa dos trinta. UFF. Estes são os ingredientes deste filme fantásticamente bem fotografado, de cores maravilhosas e pesquisa impecável. Uma viagem que vale a locação.

sábado, 12 de novembro de 2011

Perdemos o juízo?

O lucro da Petrobrás despencou, o verdão despencou e o Itamaraty renovou o passaporte diplomático do Bispo Macedo... ONG agora virou bode e toca tirar o bode da sala... Notícia ruim tem de monte. Notícia bizarra tem de penca e aí me lembrei do personagem do Ricardo Darin em "Um conto chinês" que colecionava notícias estranhas, recortando-as de jornais para depois colar em um caderno. Este sujeito, caso vivesse no Brasil, não faria outra coisa o dia todo a não ser colecionar estas notas e ainda teria de filtrar bem, pois as 24 horas do dia não são suficientes para tanta bizarrice.


PS: achei por bem usar uma imagem do Banksy que diz exatamente o contrário, dizendo, no entanto, a mesma coisa. 

sexta-feira, 11 de novembro de 2011

11/11/11

Eu não podia deixar isso passar em branco. Apesar de que o Branco não tem nada com isso. Aliás, aonde anda o Branco? Mas a cor também não tem nada com isso... Ai a numerologista diligente fez cara de séria e falou: "1+1+1+1+1+1=6 que é o número da harmonia etc e tal" E disse mais um monte... Mas esqueceu-se de que é 11/11/2011, certo? Na verdade, cada um puxa a brasa para a sua sardinha e #vamoquevamo. O que interessa não é a data... Se bem que em 7/7/77 aconteceu uma tragédia com uns amigos meus... Difícil de esquecer. Mas em 8/8/88 não rolou nada de relevante, 9/9/99 menos ainda. Buenas, o que sei é que, independente de qualquer Kabala, o que importa é perdoar, exercitar a caridade e pensar positivo. Falar de maneira positiva, cabeça erguida cheia de planos, espinha ereta, coração tranquilo e mais tudo de bom que você lembrar. Alimente-se bem, livre-se dos vícios e ajude o próximo... Seja feliz! Tá de bom tamanho, não?!

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

calor

esquentou o tempo...
O mundo ta de ponta cabeça. Os inocentes pensam que estamos nos anos sessenta e que expulsar polícia do Campus é ato heróico. Não passa de burrice. O Ministro pensa que será abatido a bala. Um mala. Será que estas pessoas não vêm um palmo à frente do nariz? Meninos de 11 anos ostentam pneu de 50 além de não saberem mais empinar pipa ou fazer carrinho de rolimã. Virei saudosista? Acho que não. Certo é que adorava uma bicicleta, uma bola e uma boa ladeira. Mais tarde, descoberto o skate, a liberdade ganhou rodas leves. Nesta semana que passou fomos ao parque encontrar desconhecidos imediatamente alçados à categoria de novos amigos. Não pude ficar o quanto gostaria, mas foi muito bom saber que outros compartilham da mesma-minha-loucura que eu. Viva o Instagram. Depois de ler meu capítulo do dia, vi o Ziraldo dizer que possui 8 maquinas de escrever, diz ele, das mais modernas... afinal nelas se digita e imprime ao mesmo tempo. Fui dormir.

PS: a foto mostra a chegada do calor... e a coitada da garça pescando sua sobrevida no esgoto urbano da nossa Pacata Vila dos Tempos do Império... e alguém ainda duvida de que o mundo pirou?

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

USP, mais uma vez... a USP



Eu não estava nada a fim de comentar os últimos episódios ocorridos na USP. Mas, depois do desfecho de ontem e pelo fato de eu e minha mulher frequentarmos aquele espaço, decidi dar uns pitacos. Vamos começar do princípio: tá mais do que na hora de se tomar alguma atitude adulta quanto à liberação do consumo moderado de maconha. Aliás, passou da hora. Foi por isso que começou a bandalheira, não foi. Pois é: BANDALHEIRA! Tudo tem limites e como disse a professora Raquel Rolnik, precisamos decidir, também, se a USP faz ou não parte da cidade. Simples assim. Se eu que gostava de dar umas pedaladas por lá no final de semana não posso mais entrar por não ter carteirinha, então não posso mais considerar o buteco como espaço público. Certo? Então se não é público... parece que já respondemos sobre a autonomia da PM no Campus. Mas, se a presença da PM fez desabar os níveis de criminalidade naquele espaço... a PM fica! E, de mais a mais, o modelo do Campus é um modelo centenário, pensado sabe-se lá pra quê, copiado de onde e por quem... mas só serve para quem tem carro, com seus espaços imensos e deserticos, favorecendo únicamente desocupados e criminosos. Portanto, se depender da minha opinião, a PM fica e aumenta seu efetivo e, principalmente, os baderneiros são expulsos. Alguém já se perguntou quanto aluno realmente interessado em estudar está cedendo sua vaga para um vagaba mimado desses? E se colocassem uma câmera a cada cem ou duzentos metros... e se os pais educassem seus filhos para viver em sociedade em vez desse bando de mimado que tem por ai? Heim, heim??

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Pense...

Na página 79, o Sr. Propter diz que o texto mais idiota da Bíblia é: "Eles me odiaram sem motivo". significa que era certo os nazistas odiarem os judeus? Huxley era antisemita? Não! Não, Huxley não era antisemita. É claro que não era certo os nzistas odiarem os judeus, mas não os odiaram sem motivo. Só que o motivo não era real. Era suposto. O motivo era o medo. Mas vamos deixar os judeus fora disso por um instante. Vamos pensar em outra minoria. Uma que possa passar despercebida se necessário. Há minorias de todo tipo. Loiros, por exemplo, ou pessoas com sardas. Uma minoria é considerada como tal só quando constitui algum tipo de ameaça à maioria. Uma ameaça real ou mesmo uma imaginária, uma suposta ameaça. E é ai que reside, ou entra, o medo. E se for uma minoria de certo modo invisível, então, o medo é muito maior. E é por causa desse medo que a minoria é perseguida. Portanto, sempre há um motivo. O motivo é o medo. Afinal, as minorias são pessoas. Pessoas como nós.


Diálogo extraído do filme "Direito de amar" (a single man) de Tom Ford com Colin Firth (2009)

Almodóvar

Quer que te contem uma grande história? Deseja isso de coração? Quer que seja irreverente e original? Não tem nem que piscar o olho. É só ir ao cinema mais perto de você, da sua casa, do seu trabalho, do seu computador e ver "A pele que habito". Quase um filme de terror, trata-se de um thriller originalíssimo, contado como se deve, com cores especiais e atores competentes. Aliás, Banderas está o louco obcecado perfeito. Paro por aqui.

domingo, 6 de novembro de 2011

tocou na ferida

Ai eu fui ler a Folha. É, na casa da minha mãe ainda tem esse negócio de jornal, do papel que suja a mão, a roupa e o sofá branco. Mas ela gosta, lê todos os dias, o jornal todo e recorta a tirinha do Garfield. Pois então, eu fui almoçar lá e vi o jornal todo desmontado, lido. Resolvi fazer o mesmo... e li. Li o que a Barbara Gancia escreveu-não-leu-o-pau-comeu com o dedo na ferida. Se foi bom de ler? Ela escreveu: "Lula certamente não é nenhum são Francisco de Assis, mas será que nós não estamos falando de inveja" E eu pensei: ela tocou o dedo e rodopiou...queném larva. Foi bom de ler. 

Você leu?
Ora, pois leia: http://sergyovitro.blogspot.com/2011/11/barbara-gancia-o-que-ha-entre-o-sirio-e.html

quinta-feira, 3 de novembro de 2011

Mosteiro beneditino de Sorocaba


Além de lindo exemplar arquitetônico, este Mosteiro celebra 350 anos da presença beneditina na região. Veja você que em 1660 o fundador de Sorocaba (na época Vila de N. Senhora da Ponte), Baltazar Fernandes resolveu doar a Igreja de N. S. da Ponte, Toda a sua terça de terra, um índio para serviços na Sacristia, uma índia para cozinhar para os Padres, 12 índios para trabalhar a terra, 12 vacas, um touro, um moinho e uma vinha. Uma senhora doação. Pois bem, isto aconteceu em 21/04/1660. Em 1667 veio tomar posse da Igreja e dos outros bens doados, o Abade Provincial Frei Francisco da Visitação. Neste mesmo ano iniciou-se a construção do Mosteiro com cinco celas, portaria, sala, refeitório, despensa e uma casa para a cozinha. A obra, toda feita em taipa de pilão, foi completada em 1668. Nessa ocasião Frei Mauro da Trindade Vieyra foi ao sertão para conseguir índios para trabalhar na Igreja e acabou morto pelos Cayapó e seus restos mortais repousam até hoje na Sacristia da Igreja. Este Mosteiro é um dos mais antigos do Brasil e sempre esteve em atividade. Hoje está sendo restaurado e comemora seus 350 anos da fundação. Vale uma visita.



quarta-feira, 2 de novembro de 2011

Dia dos Mortos

O que Maria Antonieta tinha em comum com Daniel Boone? Claro, ambos estão mortos.. dããã. Não, não é isso não: ambos fazem aniversário hoje. Ela faria 256 anos e Ele 277. Mas como é dia dos mortos, vamos ver quem morreu em 2/11: Bernard Shaw (1950) e Pasolini (1975). Eita! Um do teatro outro do cinema... pura ficção. O quê? A vida ou a morte? O feriado... Mas então... Dia dos mortos no Brasil e no México. Aqui tristeza, lá alegria. Prefiro a alegria. Todos temos nossos mortos, não é privilégio de ninguém... portanto, é melhor se alegrar, celebrar a vida como se faz no México. Afinal, as caveiras sorriem, ou não?

segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Um dia especial...

Pois é... a gente nasce e vai agregando informação, acrescentando... e assim aos doze me apresentaram a obra de Drummond. Cara, babei... Muito depois, descobri que 31/10 era seu aniversário, mas também dia das bruxas. Ora, pra que serve este tal de dia das bruxas, senão para imitar americano... Bom, serve para fazer festa a fantasia, principalmente se um amigo faz aniversário. (Parabéns Viví!) Ôpa, passou a ter sentido. Mas, você pode também pensar que nascer em 31/10 é especial e que as pessoas ao redor do mundo fazem festa no seu dia... e isso é muito bom. Nós, ontem, em singela homenagem durante nosso Sarau, fizemos a leitura de vários poemas de Drummond e é sempre bom lembrar da obra e da pessoa desse genial brasileiro poeta. Aliás, procure em sua locadora o filme "O Poeta das sete faces" e delicie-se com a história desta pessoa ímpar que viveu entre nós. Hoje vai ser comemorado o "DIA D" em várias cidades brasileiras e também em Lisboa. Salve o Poeta!

E você pensa que o 31 de outubro ficou só nisso? Nananinanão! Pois é... Foi em 31 de outubro de 1517 que Martinho Lutero começou a Reforma... Foi em 31 de outubro que Dunlop patenteou seu primeiro pneumático para bikes... Foi em 31 de outubro que o filme Sheik com Rodolfo Valentino arrasou na sua estréia (e eu tenho uma cópia disso) e Foi em 31 de outubro que a batalha da inglaterra terminou com 915 aviões da RAF e 1733 da Luftwaffe no chão... Em 31 de outubro teve bomba de Hidrogênio (1952) e assassinato de Indira Ghandi (1984), Portanto, um verdadeiro dia das bruxas...

domingo, 30 de outubro de 2011


 Muito bem, caros leitores. Vocês acham, só de olhar para estas duas imagens, que se trata do mesmo livro? Pois bem: a primeira imagem (que as armas não falem) é de 2000 da Editora Senac. A segunda (O Brasil entre a ditadura e a guerra civil) é de 2010 da Editora Benvirá. Os autores são os mesmos, há pequenas diferenças nos textos e fotos apresentadas no corpo do livro. De resto, é o mesmo livro. Deixo para os leitores decidirem se, caso comprassem ambos, se sentiriam enganados por isso.