PINTEREST

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Coisas...

Olha... tem dia em que seria melhor se fosse sexta. Hoje, por exemplo, é sexta. Dia nacional da cerveja que eu não bebo. Mas é dia de pensar em coisa boa, de receber notícia boa. Fiquei sabendo hoje,entre idas e vindas, negativas de gerente de banco, almoço de doente de úlcera, que fui selecionado para figurar em uma edição dos melhores contos de 2010. Este caiu do céu, pois não mandei nada, não inscrevi nada e de nada sabia. Assim, de nada em nada, o tempo passou. Lançamento em 5/12, justinho para o Natal. Coisa boa. 
Tipo ontem, regado a vinho magyar (que eu também não bebo) lá na Assembléia Legislativa (Palácio 9 de julho) na comemoração do dia da Hungria (23/10), com deputados e pessoal da embaixada, amigos e dos grupos escoteiros, para lembrar os heróis que tombaram na revolução de 1956.
O final do ano se aproximando e o serviço avolumando, a Bolsa piorando, o Dolar dando trabalho... Parece coisa encomendada e não consigo sequer comprar minhas passagens para Fortaleza-saudade-do-calor, humano e climático, do camarão e da maresia, da praia - não do vento. Mas há  recesso e será bem aproveitado, senão a cabeça-poff.

A cidade explode a cabeça

Quem explode colorido? Aquele que sofre por anos e brilha por alguns dias ou quem brilha anos e sofre alguns parcos minutinhos. É só acompanhar o circulo de amigos da arte... que levará a leilão as obras feitas por moradores de rua participantes da iniciativa do Instituto Brasis, que selecionou 11 pessoas em "situação de rua", aos quais forneceu câmeras semi-profissionais - aguçando neles o olhar para as coisas da metrópole. O resultado é de primeira, como vocês podem ver nas fotos a seguir. O problema é que isso não muda nada a não ser alguns minutos de fama para uns e diversão para outros que, inclusive, sentirão a alma leve ao adquirir uma destas fotos no leilão. Poderão dormir sem "sleeping pills" por uma noite. O fundador, empresário Marcos Amaro, alega que não há benevolência no processo, sem necessidade de caridade, todos participam por interesse individual. Este senhor diz que há mudança profunda nos participantes, remunerados com meio salário ao longo do processo, "pois se beneficiam da possibilidade de se reinventarem criativos, de se construírem autônomos". Enquanto que o outro lado, ao experimentar "Treinar o olhar sobre a outra ponta da pirâmide social pode ensinar sobre o seu lugar no mundo"
Minha opiniãozis: arrumaram um jeito nobre de explorar o miserável! 
Papai do Céu tá olhando... vai por mim!

Afinal: "todos precisam de educação social e responsabilidades, principalmente os mais ricos".


PS: o leilão em questão acontece na Daslu.