PINTEREST

quarta-feira, 14 de julho de 2010

14/07/1789



Allons enfants de la Patrie
Le jour de gloire est arrivé
Contre nous de la tyrannie
|: L'étendard sanglant est levé :|
Entendez vous dans les campagnes
Mugir ces féroces soldats
Ils viennent jusque dans vos bras,
égorger vos fils, vos compagnes
Aux armes citoyens! Formez vos bataillons!
Marchons, marchons,
Qu'un sang impur abreuve nos sillons. 


Tem muito mais nesta letra que já se tornou universal. Apenas postei o começo (que é o mais conhecido) para lembrar desta Revolução (com "R" maiúsculo) que mudou a França e a cara do Mundo. Ali ( pode se dizer) nasceram e se consolidaram conceitos hoje fundamentais, como liberdade, igualdade e fraternidade. Você, caro leitor, se e quando puder, vá a Paris e faça um passeio pela revolução (não pela Paris do Turista, mas pela Paris do Francês, do orgulho e da História). Pensando bem... esta revolução só podia mesmo ter acontecido na França. Duzentos anos antes eles já praticavam a solidariedade, como se pode verificar nos excelentes trabalhos de Natalie Zemon Davis que descreve o funcionamento da Aumône Générale na Lyon de 1530.

3 comentários:

Carlos Eduardo da Maia disse...

Tarde, uma das grandes biografias que li foi de Maria Antonieta, da historiadora Evelyne Lever, editado no Brasil pela Objetiva. Impressionante a mudança dela antes e depois da queda da Bastilha, sobretudo sua defesa no tribunal revolucionário na época do Terror. Os primeiros movimentos da revolução era pela permanência de Luiz XVI (transformar numa espécie de Inglaterra), mas ele junto com sua arrogância resolveu fugir para a Bélgica e foi pego em Varenne e acusados de traição ele e Maria Antonieta foram para o cadafalso.

Bípede Falante disse...

E as cores da bandeira lembraram-me da trilogia das cores do Kieslowski, com seus delicados e profundos filmes.

TARDE disse...

Bem lembrado.
"A igualdade é branca" com sua vingança de doce sabor.
"A fraternidade é vermelha" uma estória de redenção, compaixão e perdão sobre a comunicação entre os homens.
"A liberdade é azul", uma estória de amor.