PINTEREST

quarta-feira, 31 de março de 2010

A REVOLUÇÃO DE 64

Eu já ia para o Primário (início do que hoje chamam Ensino Fundamental) quando o Brasil virou de ponta cabeça. Na época, a mim encantaram os tanques nas ruas. Até aqueles dias jamais havia visto um. Pouco tempo depois comecei a sentir as mudanças. Minha mãe, estrangeira e imigrante, passou a estocar comida em casa. Meu pai fez o mesmo com dois tambores de gasolina (uma insensatez necessária, como me explicou anos depois). Meu tio tratou de sair do país por uns tempos. O Guarda Civil da esquina da minha escola deixou de velar pela nossa travessia, assim sem mais nem menos, de um dia para o outro. Um professor deixou de sê-lo... Poucos anos depois veio a compreensão de tudo. Veio o AI-5 e tudo o mais que a esta altura do campeonato é história. Eu e meus amigos crescemos assim. Quando crianças achando Tanque legal, EXPOEX o máximo, na adolescência sendo revistados a cada volta, a cada esquina... e como jovens a fugir da polícia respirando gás lacrimogênio nas ruas do Centro paulista. Amadurecemos enquanto a "revolução" apodrecia. Para quem tem paciência e curiosidade recomendo "De Getúlio a Castelo" de Thomas Skidmore e, depois, os quatro volumes carinhosamente escritos por Hélio Gaspari (A Ditadura Envergonhada, A Ditadura Escancarada, A Ditadura Encurralada e A Ditadura Derrotada). Há muitos outro livros, é claro, mas com estes a pessoa não passa mais vergonha em roda de conversa... É claro que não é nada para se orgulhar, mas para conhecer e JAMAIS PERMITIR QUE SE REPITA. 

PS: a primeira imagem eu não sei de quem é... tirei DAQUI. As outras duas são de livros meus.
PS2: hoje, 31 de março, é a data fatídica. Quando criança, chegou a ser feriado...

3 comentários:

Lou a esquizoffrenica disse...

Obrigado, assim posso conhecer mais sobre essa parte da vossa história de que tenho só algumas noções.

Carlos Eduardo da Maia disse...

Na verdade, não foi uma revolução, mas um golpe. Comenta-se que o golpe ocorreu no dia 01 de abril. Mas houve apoio de parte expressiva da classe média e de trabalhadores, porque o governo João Goulart não tinha essa popularidade e era época de guerra fria e a paranóia de que o Brasil estava seguindo os rumos de Cuba e se aproximando da URSS era grande. Esse era o contexto, mas o golpe, mesmo assim, não se justifica, essa é a minha opinião. A repressão ocorreu realmente a partir do AI 5 em 68, como forma de reprimir movimentos de esquerda que queriam pegar em armas e que sequestravam embaixadores e outras figuras. Além dos livros indicados eu recomendaria "Os Carbonários " do Alfredo Sirkis sobre o Brasil pós AI 5 e o Que é Isso Companheiro do Gabeira. Depois do golpe militar houve a redemocratização do Brasil e a entrada em vigor da CF de 1988, que infelizmente, é uma imensa colcha de retalhos, ambivalente, ambígua, que concede muitos direitos e poucas obrigações e é consequência imediata de um período crítico na vida brasileira, a ditadura militar -- que pode sim ser considerada ditabranda se compararmos com o que ocorreu com o Chile e Argentina. Ditadura é sempre ditadura, por mais branda que ela seja, não se justifica.

Carlos Eduardo da Maia disse...

Comenta-se que o golpe ocorreu no dia 01 de abril. Mas houve apoio de parte expressiva da classe média e de trabalhadores, porque o governo João Goulart não tinha essa popularidade e era época de guerra fria e a paranóia de que o Brasil estava seguindo os rumos de Cuba e se aproximando da URSS era grande. Esse era o contexto, mas o golpe, mesmo assim, não se justifica, essa é a minha opinião. A repressão ocorreu realmente a partir do AI 5 em 68, como forma de reprimir movimentos de esquerda que queriam pegar em armas e que sequestravam embaixadores e outras figuras. Além dos livros indicados eu recomendaria "Os Carbonários " do Alfredo Sirkis sobre o Brasil pós AI 5 e o Que é Isso Companheiro do Gabeira. Depois do golpe militar houve a redemocratização do Brasil e a entrada em vigor da CF de 1988, que infelizmente, é uma imensa colcha de retalhos, ambivalente, ambígua, que concede muitos direitos e poucas obrigações e é consequência imediata de um período crítico na vida brasileira, a ditadura militar -- que pode sim ser considerada ditabranda se compararmos com o que ocorreu com o Chile e Argentina. Ditadura é sempre ditadura, por mais branda que ela seja, não se justifica.