PINTEREST

sexta-feira, 23 de outubro de 2009

TOMATES VERDES FRITOS: tenha em casa!

Qual o segredo da vida? O segredo está no molho...


Como misturar casamentos falidos, violência doméstica, homossexualismo, questão racial, amor e sobretudo amizade sem errar feio, sem ser piegas e sem ser chato. Ao contrário, produziu-se aqui um dos filmes mais marcantes do cinema americano inclusive capaz de calor humano. Em um roteiro bastante complexo, no qual duas estórias paralelas se entrelaçam, ora pelo recurso do flash-back, ora pelo comportamento de uma das personagens que se inspira no passado de outra para consertar seu presente. O forte fio condutor, em ambas as estórias, é a formação de uma amizade sólida, capaz de sacrifícios em prol do outro sem pedir nada em troca. O “dar” sem se ter o “receber” em vista. Filme de muitos detalhes, muito conteúdo e momentos marcantes de interpretação por todos os envolvidos a se destacar (por óbvio) os quatro personagens principais. No final, algumas questões ficam em aberto como a que é insinuada (desde a leitura de um jornal sensacionalista em um supermercado) de que o marido de Ruth foi servido como churrasco ao Delegado encarregado da investigação de seu sumiço; ou mesmo de que a narradora octagenária seria a personagem sobre quem se conta a maioria dos casos do filme (Idgie). Ao final fica a grande lição de vida, de apreço à amizade verdadeira que inclusive leva um pastor sério a mentir, fingindo jurar sobre a Bíblia em um Tribunal. Os tomates verdes fritos, na verdade, parecem ser a receita principal de um determinado Café de beira de estrada e em nenhum momento do filme aparentam ser algo além de empanados encharcados de óleo. Em termos de comida aliás, esse filme mostra apenas um punhado de amoras que dão água na boca. Excluídas estas frutas e uma terrina de chocolate, todo o resto é muito útil para encorajar dieta, pois ao ser avistado faz o espectador perder a fome. A versão que está à venda é uma versão estendida, portanto, mais rica do que a que grassou pelos circuitos comerciais. Vale à pena de se ver mais de uma vez. Tenha em casa!


É PRIMAVERA E TEM FESTIVAL DE CINEMA

PORTANTO é hora de falar de FLORADAS NA SERRA:


Comprei na Livraria Cultura este filme dirigido por Luciano Salce e estrelado por Cacilda Becker, Jardel Filho, Jonh Herbert, Ilka Soares, Ruth de Souza entre outros. Foi lançado originalmente em Stº André a 7/10/1954 e filmado entre 53 e 54 em Campos do Jordão (SP). Além do fato de se ver a maravilhosa Cacilda e os outros atores em plena forma, a ação se passa em Campos no tempo em que lá só se ia para curar tuberculose. É um registro especial daquela região. Tudo muito lindo SÓ QUE... o audio do DVD não presta. Assinado pela AMAZON FILMES dando crédito para a CINEMATECA BRASILEIRA. Chega a ser uma sacanagem para não dizer que é extremamente frustrante não entender mais da metade dos diálogos da fita. Cheguei até a levar a ditacuja e troquei na loja, aonde muito solícitos, ao trocarem me explicaram que era assim mesmo... e que letras miúdas explicavam isso lá no canto inferior da embalagem... Não quero crer, mas é o que se apresenta... Eu gosto de cinema, tenho inúmeros filmes do início do século passado, alguns até do tipo "só para nerd's", mas isso foi demais. Colocarem um filme à venda sem sequer ter feito um esforço para restaurar o audio? E a CINEMATECA ainda chancela isso? Tô bêsta!!! Este tipo de coisa não se deve gravar em DVD e colocar à venda pelo país afora, isso é para ser exibido na CINEMATECA e com aviso na porta: o som está uma M.... e daí, vai quem quer.... só quem quer.

E, não bastasse isso, ainda colocam na capa: EDIÇÃO ESPECIAL!